ASSIM NASCEU ISRAEL


Assim Nasceu Israel

Jorge García Granados, Editora Sêfer, 328 páginas (16×23 cm, flexível), ISBN 978-85-85583-91-0, 2008

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Assim Nasceu Israel – Nos Bastidores da ONU: a votação que levou à criação do Estado Judeu

Este livro é o primeiro relatório detalhado, feito por uma testemunha que viveu o que a Comissão Especial das Nações Unidas para Palestina (UNSCOP) encontrou na Terra Santa, como se decidiu em favor da partilha e como nasceu Israel.

Além disso, é esta também primeira revelação franca do que ocorreu por trás dos augustos portais das Nações Unidas em todo o processo. Conta como funciona a Assembleia Geral; como, por meio de acordos, se elegiam as comissões especiais; como algumas personalidades dirigem e modelam a política de uma nação; como as grandes potências pressionaram e contra pressionaram os seus satélites antes da proclamação da independência de Israel, em 15 de maio de 1948.

O autor, Jorge García Granados, como chefe da delegação guatemalteca perante as Nações Unidas, foi designado para a Comissão Especial desse organismo para a Palestina, designação que acolheu com simpatia e calor. Permaneceu vários meses na Palestina com a Comissão, entrevistando os ingleses e reunindo-se em segredo com representantes do movimento subterrâneo judeu, com membros da Haganá e com as diversas facções árabes. Conversou com prisioneiros políticos, com motoristas, com operários, com colonos, assim como com funcionários de todo tipo. Foi à Palestina com total imparcialidade e isenção e saiu dali plenamente convencido da justiça da partilha. Em cumprimento de suas tarefas, visitou os campos de refugiados deslocados da Europa. Depois, retornou a Lake Success, então sede da ONU, para lutar por decisões transcendentais.

Com profunda humanidade e sensibilidade, e com o enfoque de um latino-americano que, segundo suas próprias palavras, “é de um país de dores”, García Granados narra neste livro apaixonante o que viu e o que ouviu. Não foi só o jogo duplo, a opressão e a intriga: também o idealismo, a determinação e as proezas presenciadas que foram a causa desta primeira história informal da gênese de Israel.

***

Prefácio à Edição Brasileira:

Este livro é desconhecido da grande maioria do público de língua portuguesa, e seu autor, Jorge García Granados, um jornalista, advogado e diplomata guatemalteco, é pouco mencionado até mesmo nas comunidades judaicas e em Israel, que têm com ele uma dívida de gratidão por sua luta em prol da partilha da Palestina. Ele ajudou a abrir caminho para o nascimento de Israel.

Granados sofreu desde jovem a ditadura e o despotismo em seu país. Por defender a liberdade, foi preso e desterrado. No entanto, isso só fez aumentar seu apego às causas em que acreditava e moldou nele um espírito corajoso que jamais se dobrava aos poderosos. Era uma personalidade ímpar, sempre dedicado à justiça. Quis o destino que fosse o representante da Guatemala na Organização das Nações Unidas (ONU) quando os ingleses resolveram levar o problema da Palestina àquela instituição mundial.

Indicado para integrar a UNSCOP, a Comissão Especial das Nações Unidas para a Palestina, foi para o Oriente Médio com a imparcialidades que o caracterizou por toda a vida. Depois de meses conversando com pessoas de todo o tipo, visitando kibutzim e constatando os “milagres” que os judeus faziam ao transformarem desertos em áreas cultiváveis, em meio a condições extremas do clima, sofrendo o desdém dos britânicos que detinham o Mandato e sangrentos ataques das incitadas turbas árabes, Granados deixou a Palestina convencido da necessidade e da justiça da partilha, tornando-se, então, um dos seus grandes e mais forte arautos na ONU. Ele ainda foi à Europa e percorreu, entre sensibilizado e indignado, os campos onde viviam em estado de completa miséria judeus refugiados e deslocados, que não podiam imigrar para a Palestina nem voltar aos seus países de origem.

Trata-se de uma obra importantíssima, não só para nós judeus como para os não-judeus que se interessam pela questão do Médio Oriente. O relato de Granados, é um documento valioso para a compreensão do tema e um testemunho notável para a história, especialmente deste caso tão manipulado por aqueles que nunca se conformaram com a Independência de Israel. Suas páginas nos apresentam argumentos e fatos históricos paticamente inéditos e tão fortes, ainda desconhecidos do grande público, que acrescentam novas e irrefutáveis provas do direito judaico à Palestina.

É lamentável que, por mais de 60 anos, este livros, que só existia em inglês, espanhol e hebraico, tenha ficado inacessível ao leitor de língua portuguesa. Agora, este poderá conhecer mais a fundo as inúmeras facetas tratadas nesta obra, como, por exemplo, a fragilidade das reclamações árabes: Granados capta um dos motivos pelos quais eles nunca aceitaram o Estado Judeu – “Israel fere a dignidade nacional dos árabes” – ou, ainda, detalhes interessantes sobre a Declaração de Balfour e em que circunstâncias  ela foi elaborada e entregue; e todo o histórico da Liga das Nações ao conceder o mandato que a Inglaterra se encarregasse de criar o Lar Nacional Judaico e como ela se desviou disso por interesses políticos próprios.

O autor descreve também sua indignação com o brutal regime policial dos britânicos, a opressão, as injustiças e os tribunais ditatoriais que os ingleses impuseram aos judeus. Em determinado ponto de seu relato, chega a dizer que a atitude dos ingleses – sempre considerados paladinos do humanitarismo e da não-violência – era muito pior que a dos despóticos ditadores latino-americanos da época.

Há também um comovente testemunho sobre o célebre episódio do navio Exodus, relatado pelo diplomata que o ouviu de um não-judeu norte-americano, um reverendo que foi tripulante voluntário no transporte de imigrantes ilegais para a Palestina. O que se passou nos bastidores das comissões, subcomissões e Assembleia Geral da ONU é outro tema abordado com detalhes, que mostram como eram feitos os acordos entre os países para decidir questões na ONU, as pressões e as manipulações dos votos, especialmente as tentativas dos países árabes em impedir, a todo custo, que a partilha prosperasse e fosse aprovada pela maioria dos países do mundo.

Não menos importante é a corajosa revelação – surpresa para muita gente – de que os Estados Unidos nem sempre foram favoráveis à criação de Israel, chegando a ameaçar com sanções a então iminente jovem nação. O Estados Unidos foram o primeiro país do mundo a reconhecer a independência de Israel, mas fizeram de tudo para impedir que ele nascesse no dia 15 de Maio de 1948 e, além disso, tentaram, seguindo o caminho do apaziguamento, propor a revogação da partilha e criar um fideicomisso após a retirada das tropas britânicas – tudo para agradar os árabes e não ferir seus interesses petroleiros no Médio Oriente.

Este livro, agora em português, é uma homenagem à memória de um dos maiores democratas da América Latina: o seu autor, Jorge García Granados.

Os tradutores: Sara Schulman e Szyja Ber Lorber

Anúncios

MANUAL DE CONVERSAÇãO EM HEBRAICO C/ 2 CDS DE AUDIO


Manuel conversação hebraico

Nira Trumper, 160 páginas (17,5×14 cm, capa dura e c/2Cds de audio), ISBN 978-85-85583-24-8, 2007 (4ª edição)

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Com Transliteração e 2 Cd’s de Áudio

Este Manual de Conversação em Hebraico tem por finalidade ajudar estudantes do idioma e turistas em viagem a Israel a lidar com todo o tipo de situações da vida quotidiana em Israel. Ao fornecer Expressões do idioma hebraico falado – em 3 versões: hebraico, português e na forma transliterada -, ele contribuirá para enriquecer o vocabulário do estudante e dará mais segurança a quem visita Israel, além daquele gostinho todo especial de falar no idioma local – o idioma da Bíblia!

Para facilitar isso, abriu-se mão da “gramática normativa” e optou-se pela maneira de falar actual, para que o estudante ou turista seja ouvido tal qual um israelita – e não como um estrangeiro. Daí a necessidade de se ouvir com atenção os CDs, para se adquirir uma boa e correcta pronúncia. Baruch Habá!

HEBRAICO FÁCIL


Hebraico facil2

Prolog / Israel, Editora Sêfer, livro (320 páginas – 16×23 cm, capa dura) + 3 CDs e DVD, ISBN 978-85-85583-40-8–, 2007 (2ª edição)

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Hebraico Fácil – Aprenda Sozinho! Curso Completo.

Este curso audiovisual, composto de livro, 3 CD’s de áudio e um DVD, foi elaborado especialmente para autodidatas que desejam adquirir uma base sólida para ler, escrever e compreender o idioma hebraico.

***

Estrutura e Metodologia

Comece cada uma das 30 lições no LIVRO DE TEXTOS, que traz a tradução e a transliteração de todo o vocabulário, diálogos, exercícios e noções concretas de gramática, tudo passo a passo, com clareza e objetividade.

Em seguida, escute a lição no CD, faixa a faixa. A gravação clara e pausada, realizada por locutores profissionais de Israel, possibilitará ao estudante aprender a pronúncia correta das palavras (entonação e acentuação), como se fala em Israel, sem sotaques estranhos que atrapalham o aprendizado.

Depois de formar seu vocabulário, aprender verbos e gramática (a parte teórica), você passará para o DVD, que contém 25 dramatizações do dia-a-dia, de 2 a 3 minutos cada uma. Nelas, você participará ativamente de conversas com os atores, por meio da leitura de subtítulos em hebraico que aparecerão na tela (mas constam do livro também).

Através da aplicação prática dos conhecimentos anteriormente adquiridos, você vai estar treinado e seguro para um bom bate-papo em situações similares que acontecerão no futuro. Este é o grande diferencial deste moderno método, desenvolvido e bastante utilizado por estudantes estrangeiros em Israel e em todo o mundo.

APRENDA SOZINHO A LÍNGUA DO POVO DE ISRAEL!

KOSHER LIGHT – SAÚDE E SABOR


Kosher Light

Márcia Jablonka Kelman e Débora Gidali Menaged, Emunah, 161 páginas (29×21,5 cm, brochura), ISBN 85-9916-01-X, 2005

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Kosher Light – Saúde e Sabor

Este livro é mais que uma reunião de receitas de culinária Kasher. Nele, as autoras adaptaram algumas receitas tradicionais e criaram outras para que as delícias da culinária judaica possam ser saboreadas com prazer e de forma saudável até por pessoas portadoras das principais doenças da vida moderna, como hipertensão, diabetes, obesidade, doenças cardiovasculares e o aumento dos níveis de colesterol.

É possível alimentar-se com prazer, sem abrir mão de receitas carregadas de afeto ou, muitas vezes, de sua própria história de vida. Afinal, receitas não são feitas apenas com uma lista de ingredientes culinários. São também compostas de memórias, lições de vida e amor.

***

Palavra do Rabino

Hoje em dia, quando muitos estão preocupados em viver uma vida mais significativa e sadia, materialmente e espiritualmente, e muito se fala sobre alimentação saudável, a publicação do livro “Kosher Light – Saúde e Sabor”, pelo Movimento Feminino Emunah, chega num momento oportuno e certamente servirá como valioso incentivo a todos aqueles que buscam aprimorar a saúde  de seu corpo e a de sua alma.

A Cashrut (dieta alimentar judaica) desempenha um papel vital para a preservação do povo judeu. A Torá, que é a sabedoria Divina, nos ensina de forma detalhada a dieta alimentar apropriada para um judeu. Como em todos os mandamentos Divinos, o cumprimento deste preceito só nos traz benefícios; já uma alimentação não adequada para o judeu, além dos prejuízos físicos, D’us nos livre, ainda dificulta as suas aspirações espirituais. Os livros místicos dizem que tais alimentos dificultam nossa capacidade mental e sensibilidade emocional, prejudicando nosso serviço ao Criador.

Por outro lado, a Torá também zela pela nossa saúde física, conforme podemos constatar nos diversos detalhes do Código da Lei Judaica. Como diz o Alter Rebe, o primeiro Rebe de Lubavitch: “Não podemos sequer imaginar como o corpo de um judeu é querido por D’us”. Seu mestre, o Maguid de Mezritch, dizia: “Um pequeno orifício no corpo é um grande buraco na alma”. Ambas ressaltavam a importância de a pessoa possuir um veículo saudável para a alma Divina poder se expressar. Os cientistas, na sua linguagem, dizem “mens sana in corpore sano”, e hoje em dia muito se fala e se pesquisa sobre a medicina psicossomática.

Entre as diversa opiniões sobre as leis e costumes alimentares, Maimônides – grande legislador, filósofo e médico – afirma: “Garanto que todo aquele que seguir estas orientações não ficará doente em toda a sua vida, nem precisará de médico, e seu corpo será sadio e perfeito” (Códex Mishné Torá,Hilchot Deot, 4:20). Porém, outro grande sábio, Rabino Yitschac Abarbanel, contesta a visão de Maimônides, sustentando que as leis Divinas são tão saudáveis para o corpo como para a alma judia. Até a medicina moderna já comprovou que vários alimentos proibidos, como os frutos do mar, a carne suína, a mistura de carne e leite, etc., são prejudiciais à saúde, e que a qualidade da alimentação afeta diretamente a saúde física e mental do ser humano.

Desejamos que o objectivo desta obra seja alcançado em sua plenitude, e que todos os leitores, com almas e corpos saudáveis e perfeitos, possam viver uma vida sadia, física e espiritualmente, repleta de alegrias e felicidades.

2 de Lyar, 5765

11 de Maio, 2005

Rabino Y. David Weitman

%d bloggers like this: