ENCICLOPÉDIA DO HUMOR JUDAICO


Capinha humor novo cópia

Henry D. Spalding, Editora Sêfer, 320 páginas (21×28 cm, capa flexível), ISBN 85-85583-08-8, 1997 (2ª edição)

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Dos tempos bíblicos à era moderna

39 Capítulos recheados com o melhor do humor judaico em todos os tempos.

Compilado por um expert no assunto e brasileiramente ilustrada, esta obra transforma-se, desde já, em um dos melhores livros de humor ja publicados em português.

O autêntico humor judaico espelha a história do povo judeu. É um reflexo das suas alegrias e angústias, anseios e desalentos, e daqueles períodos tão breves de bem-estar económico e social. Ele expressa suas infindáveis aspirações por um mundo no qual justiça, misericórdia, compreensão e igualdade prevalecerão, não só para si mas para todos os povos.

Nesta abrangente enciclopédia, o autor não apenas apresenta as anedotas mais hilariantes já contadas, como também coloca-as na perspectiva histórica adequada.

Em seus 39 empolgantes capítulos desfilam os mais pitorescos personagens do folclore judaico ao longo de quarenta séculos: desde os tempos bíblicos até a era atómica, de um modo que ilustra os principais pontos da história do povo judeu, retratando as vicissitudes da vida judaica na maioria dos países onde este tem vivido.

Começando pelo sugestivo índice de Henry Spalding, passando pelas criativas ilustrações de Ivo Minkovicius, até o bem-humorado glossário de Dorothy Rochmis, a Enciclopédia do Humor Judaico mostra o excepcional senso de humor do povo judeu, assim como sua disposição de fazer graça de si mesmo.

Incrível visão interior de Spalding do comportamento e do carácter do judeu reflecte-se em sua excelente e reveladora escolha de histórias e anedotas. Todas são apresentadas de um modo delicioso, expressando, efectivamente, a essência deste povo notável. Os pais, médicos, advogados e shnorers do livro – todos se tornam notavelmente vivos, não como estereótipos mas como povo.

Anúncios

WAHNON – CONTRIBUTO PARA UMA GENEALOGIA


Livrofoto

Edição bilingue (Português / Inglês); 726 páginas, p&b, 178x254mm; Abril 2011, edição do autor; © 2011 Luís Almeida Santos
Está disponível em www.wahnon.net

***
WAHNON – Contributo para uma Genealogia
Uma história da família Wahnon de 1670 a 2011 e as suas ligações aos Benoliel, Cohen, Hassan, Levy, Benrimoj, Bentubo, Morbey, Benaim, Pilo, Benshid, Delmar, Brigham, Abecassis, Bentata, Seruya, Bensusan, Benzaquen, Vera-Cruz, Carvalho, Martins, Melo, Veiga, entre outros. 
De Marrocos e Gibraltar a Cabo Verde, Portugal, EUA, Venezuela, Argentina, Brasil, Espanha, França, Israel e Itália.
***
Sobre o autor: A promover uma pesquisa genealógica sobre os Wahnon desde 1985 – e tendo publicado a 1ª genealogia em 2000 em CDRom – desde o início fiquei admirado com os rumos que uma antiga família judia do século XVII pôde tomar ao longo dos tempos, todos os seus ramos e as novas pátrias, as espantosas histórias encontradas, os rostos e os lugares, as vidas dos nossos antepassados!
Com a ajuda entusiástica de alguns dos seus membros e de registos oficiais,  um enorme trabalho genealógico foi possível ao longo destes tempos e grande parte da história da família pode agora ser contada às gerações presentes e a todas as futuras.
O nome é uma herança de família mas o que podemos contar acerca dele é o seu património.
Partilhemo-lo então com todos os descendentes. Luis Almeida Santos
***

ENGLISH VERSION:

A Wahnon family history from 1670 to 2011 and it’s connexions to the Benoliel, Cohen, Hassan, Levy, Benrimoj, Bentubo, Morbey, Benaim, Pilo, Benshid, Delmar, Brigham, Abecassis, Bentata, Seruya, Bensusan, Benzaquen, Vera-Cruz, Carvalho, Martins, Melo, Veiga, among others. 
From Morocco and Gibraltar to Cape Verde, Portugal, USA, Venezuela, Argentina, Brazil, Spain, France, Israel and Italy.
Bilingual edition (English / Portuguese); 726 pages, b&w, 7×10 inch, april 2011, author’s edition; © 2011 Luís Almeida Santos
Available at: www.wahnon.net

About the author: Doing a genealogical research in Wahnon since 1985 – and published the first genealogy in 2000 in CDRom – soon the author was amazed with the paths that an ancient Jewish family from the XVII century could take all over the time, the all new branches and new homelands, the amazing stories found, faces and places, our ancestor’s lifes!

With the enthusiastic help from some of his members and official records, a huge genealogical work was possible for all these years and a great part of the  family history may now be told to present and all future generations.
The surname it’s a family heritage but what we can tell about it is the family patrimony.
Let’s share it with the all descendants. Luis Almeida Santos

***

Apelidos Presentes – Surnames

 

A Abecassis, Abenatar, Abergel, Abitbol, Aboab, Aboim, Abreu, Abudarham, Acrish, Adamo, Aflalo, Agostinho, Aguiar, Alberio, Albuquerque, Alcobia, Alhinho, Almas, Almeida, Almosnino, Alvarez, Alves, Amar, Amaral, Amorim, Amram, Amselem, Amzalak, Anahory, Ancona, Anderson, Andrade, Anjos, Antão, Araújo, Arriaga, Asayol, Attias, Auday, Audette, Avelino, Avillez, Ayala, Azancot, Azancot, Azerad, Azevedo, Azinhais, Azra, Azuelos, Azulay.

B Baert, Balensi, Bandeira, Banon, Baptista, Baquish, Bárbara, Barbosa, Barchillon, Barreto, Barros, Baruck, Basílio, Basto, Beguin, Belcher, Belchior, Belilo, Belilty, Belisha, Bellém, Bello, Belo, Benabu, Ester, Benady, Benaim, Benamor, Benarroch, Benarroch, Benasayag, Benatar, Benavides, Benbunam, Benchimol, Bendahaan, Bendayan, Bengualy, Benguigui, Benhayon, Benhayot, Benifla, Benihamu, Beniso, Benjamin, Benlisha, Benmiyara, Benmuyal, Benoliel, Benrimoj, Benros, Bensaadon, Bensadon, Bensaude, Benselum, Benshid, Benshimol, Bensimon, Bensmon, Benson, Bensusan, Bentata, Bentolila, Bentub, Bentubo, Benyunes, Benzadon, Benzakein, Benzaquen, Benzecry, Benzimra, Berdugo, Bergel, Beriro, Berish, Bermudez, Bernardo, Berrios, Berti, Biitan, Biscaia, Bismuth, Bitton, Blackwell, Blank, Bloom, Bonina, Bonito, Botbol, Botelho, Bottey, Bradish, Braga, Bragança, Bramão, Branco, Bray, Brennan, Brigham, Brilhante, Brito, Brum, Burak, Busher, Busto, Butler, Buzaglo.

C Cabesa, Cabral, Caetano, Caldeira, Calheiros, Calvário, Camilo, Campos, Canas, Candeias, Candido, Cansino, Cantari, Capela, Cardoso, Carrascalão, Carrelo, Carrelo, Carriche, Carrilho, Carroll, Carter, Carvalhal, Carvalho, Castelo, Castro, Cavaco, Cavalleri, Cavazza, Cazes, Celestino, Chalcoski, Chandade, Chantre, Chavez, Chejfec, Chibante, Chocron, Cimo, Claus, Clawson, Cobos, Cochosel, Coe, Coelho, Cohen, Comando, Conceição, Conn, Connolly, Conquy, Consciência, Corré, Correia, Cortes, Costa, Coster, Cotrim, Cotta, Coutinho, Croucher, Cruz, Cuby, Cunha, Custódio, Cyrne.

D Dahan, Damora, Danan, Dar, Daugbjerg, David, Davis, Dawn, Defrance, Degand, Delgado, Delmar, Detmers, Dias, Dichi, Dickson, Dikson, Dimas, Diniz, Dionísio, Dixon, Domingos, Duarte, Duo, Durão, Dusoir.

E Eça, Edwards, Eisenoff, Elancry, Eleini, Eliott, Elmalej, Elnijar, Eltuaty, Encarnação, Ennes, Ermano, Escogido, Esmael, Ettedgui, Evora, Ezaoui, Ezaoui.

F Fabre, Fansler, Farache, Feijóo, Feldman, Ferdinand, Fernandes, Feron, Ferrebee, Ferreira, Ferro, Fialho, Figueiredo, Fimat, Finzi, Firmino, Fischel, Fisher, Flamengo, Fonseca, Fontes, Fortes, Fortuna, Fragoso, Framm, Francisca, Franco, Freidman, Freire, Freitas, Funny.

G Gabay, Gaivão, Gallardo, Gallo, Galvão, Gama, Gameiro, Gamero, Garbes, Garção, Garcia, Garrido, Garson, Genie, Gharbi, Ghira, Gilbert, Gloria, Gluck, Godinho, Goinhas, Goldmann, Goldsmith, Gomes, Gonçalves, Gonsalves, Gonzales, Gonzalez, Gouveia, Graça, Grácio, Granja, Green, Greenwald, Grego, Grossman, Guahnon, Guanano, Guerra, Guilherme, Guilman, Guinon, Gusmão, Guterres.

H Hadida, Hale, Hammermeister, Hanah, Hannah, Harbuck, Hasan, Hatchuel, Hausman, Heinrich, Henriques, Herring, Hilario, Hilt, Hoffer, Hoffman, Hollenbeck, Horner, Horner, Horta, Hotchkin, Hughes.

I Imbassahy, Inon, Irving, Isaac, Israel, Izquiano.

J Jasko, Jasqui, Jesus, Jimenez, Johnstone, Jones, Juliana, Junqueira.

K Kacan, Kalychurn, Karp, Katz, Kelly, Kirk, Klar, Kolinsky, Kunz, Kuska.

L Lacerda, Lackie, Ladeira, Ladomerszky, Laferrier, Lagido, Lamounier, Lapak, Laver, Leal, Leesu, Leitão, Leitch, Leite, Lejo, Lemay, Levi, Levy, Lima, Linden, Lindo, Lisboa, Lôbo, Locayo, Locke, Lopes, Loureiro, Lourenço, Lousã, Lozon, Lucas, Luciardo, Luís, Lukey, Lundegaard, Lupi, Luz.

M Macambira, Macedo, Machado, Madeira, Magalhães, Magaly: Mahoney, Maia, Maidana, Mamam, Mana, Manahan, Manoel, Marcelino, March, Marchueta, Mariano, Marín, Marques, Marrache, Martin, Martinho, Martins, Mascarenhas, Massias, Mateus, Matias, Mattana, McDowell, McIlroy, McIlveen, McKinney, Medina, Meehan, Mello, Melo, Meloni, Mendelsohn, Mendes, Mendia, Mendoça, Meneses, Menezes, Mentler, Mercês, Metello, Miller, Miranda, Mohr, Montanha, Montay, Monteiro, Mooi, Morais, Morbey, Moreira, Morey, Morgado, Morris, Mosso, Mota, Moura, Mourão, Mueller, Muguet, Munell, Múrias.

N Nahon, Nahum, Nascimento, Naypliotou, Nazareth, Nesbaum, Neto, Neumann, Neves, Nogueira, Noronha, Nunes, Nuñez.

O Olazabal, Oliel, Oliveira, Oliver, Orabuena, Orey, Ortega, Ortigão, Osório, Ottolini, Ovelheira.

P Pacheco, Pack, Padeira, Pagan, Palha, Palma, Panteleimonov, Paredes, Pariente, Passalacua, Passos, Pate, Patucca, Paulo, Peeters, Pennino, Pereira, Peterfalvi, Peterson, Phillips, Phyllis, Piccioto, Pierre, Pilo, Pimenta, Pinheiro, Pinto, Pires, Pisaneschi, Plaza, Pontes, Portela, Posadas, Potaznik, Potgieter, Power, Powles, Prates, Pratt, Presas.

Q Quaresma, Quintana, Quintela.

R Ramagge, Ramalho, Ramires, Ramirez, Ramos, Rato, Rebello, Redwine, Rego, Reis, Resnik, RestivoRevoredoRhodes, Ribeiro, Ricardo, Roberts, Rocha, Rocheteau, Rodrigues, Rofe, Rölleke, Romansky, Romão, Roque, Rosa, Rosado, Rosell, Rosseli, Ruah, Ruas, Ruiz, Rumpeler, Russel, Rutgers.

S Sá, Saavedra, Sabah, Saint Aubyn, Sala, Salazar, Saldanha, Sampaio, Sananes, Sanches, Sandals, Santiago, Santo, Santos, Saramago, Sarmento, Schafferson, Schoener, Schultz, Scime, Scoggins, Seabra, Sebastião, Secca, Seidenfaden, Sena, Onélia, Senior, Sequerra, Serfaty, Serradas, Serruya, Shaw, Sherman, Shukrun, Silva, Silveira, Sistelo, Skolnik, Smith, Soares, Sobel, Soeiro, Sol, Sotomaior, Sousa, Souto, Spindel, Stanley, Stauffer, Strum, Suissa, Sullivan, Sultan, Supino.

T Taurel, Tavares, Tedesqui, Teixeira, Teles, Teret, Thomas, Thompson, Timperley, Tissie, Tojal, Toledano, Tomás, Touhami, Trindade, Trovão, Truzman, Tsivin, Tucker, Tudela, Tudesqui, Turner, Turpin.

U Urban, Uzcategui.

V Vale, Valido, Valido, Valle, Valterio, Van Den Broek, Vanole, Varandas, Varela, Vasconcellos, Vasconcelos, Vaz, Veiga, Ventura, Vera-Cruz, Viana, Vicente, Vieira, Vilhena, Vinhas, Vinisti, Viterbo, Vitorino, Voorst, Voss,

W Wahnon, Waldrop, Wanano, Wang, Warburton, Wasson, Weber, Webster, Weisfogel, Weisman, Wellens, White, Whitley, Widmer, Winer, Winn, Wintermute, Wojtkunski, Wood, Worley, Wyatt.

X Xara-Brasil. Y Yahudah, Ybarra, Yenon, Yenon, Yoshii, Young.

Z Zagury, Zappalá, Zara, Zeital, Zlotowski.


ASSIM NASCEU ISRAEL


Assim Nasceu Israel

Jorge García Granados, Editora Sêfer, 328 páginas (16×23 cm, flexível), ISBN 978-85-85583-91-0, 2008

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Assim Nasceu Israel – Nos Bastidores da ONU: a votação que levou à criação do Estado Judeu

Este livro é o primeiro relatório detalhado, feito por uma testemunha que viveu o que a Comissão Especial das Nações Unidas para Palestina (UNSCOP) encontrou na Terra Santa, como se decidiu em favor da partilha e como nasceu Israel.

Além disso, é esta também primeira revelação franca do que ocorreu por trás dos augustos portais das Nações Unidas em todo o processo. Conta como funciona a Assembleia Geral; como, por meio de acordos, se elegiam as comissões especiais; como algumas personalidades dirigem e modelam a política de uma nação; como as grandes potências pressionaram e contra pressionaram os seus satélites antes da proclamação da independência de Israel, em 15 de maio de 1948.

O autor, Jorge García Granados, como chefe da delegação guatemalteca perante as Nações Unidas, foi designado para a Comissão Especial desse organismo para a Palestina, designação que acolheu com simpatia e calor. Permaneceu vários meses na Palestina com a Comissão, entrevistando os ingleses e reunindo-se em segredo com representantes do movimento subterrâneo judeu, com membros da Haganá e com as diversas facções árabes. Conversou com prisioneiros políticos, com motoristas, com operários, com colonos, assim como com funcionários de todo tipo. Foi à Palestina com total imparcialidade e isenção e saiu dali plenamente convencido da justiça da partilha. Em cumprimento de suas tarefas, visitou os campos de refugiados deslocados da Europa. Depois, retornou a Lake Success, então sede da ONU, para lutar por decisões transcendentais.

Com profunda humanidade e sensibilidade, e com o enfoque de um latino-americano que, segundo suas próprias palavras, “é de um país de dores”, García Granados narra neste livro apaixonante o que viu e o que ouviu. Não foi só o jogo duplo, a opressão e a intriga: também o idealismo, a determinação e as proezas presenciadas que foram a causa desta primeira história informal da gênese de Israel.

***

Prefácio à Edição Brasileira:

Este livro é desconhecido da grande maioria do público de língua portuguesa, e seu autor, Jorge García Granados, um jornalista, advogado e diplomata guatemalteco, é pouco mencionado até mesmo nas comunidades judaicas e em Israel, que têm com ele uma dívida de gratidão por sua luta em prol da partilha da Palestina. Ele ajudou a abrir caminho para o nascimento de Israel.

Granados sofreu desde jovem a ditadura e o despotismo em seu país. Por defender a liberdade, foi preso e desterrado. No entanto, isso só fez aumentar seu apego às causas em que acreditava e moldou nele um espírito corajoso que jamais se dobrava aos poderosos. Era uma personalidade ímpar, sempre dedicado à justiça. Quis o destino que fosse o representante da Guatemala na Organização das Nações Unidas (ONU) quando os ingleses resolveram levar o problema da Palestina àquela instituição mundial.

Indicado para integrar a UNSCOP, a Comissão Especial das Nações Unidas para a Palestina, foi para o Oriente Médio com a imparcialidades que o caracterizou por toda a vida. Depois de meses conversando com pessoas de todo o tipo, visitando kibutzim e constatando os “milagres” que os judeus faziam ao transformarem desertos em áreas cultiváveis, em meio a condições extremas do clima, sofrendo o desdém dos britânicos que detinham o Mandato e sangrentos ataques das incitadas turbas árabes, Granados deixou a Palestina convencido da necessidade e da justiça da partilha, tornando-se, então, um dos seus grandes e mais forte arautos na ONU. Ele ainda foi à Europa e percorreu, entre sensibilizado e indignado, os campos onde viviam em estado de completa miséria judeus refugiados e deslocados, que não podiam imigrar para a Palestina nem voltar aos seus países de origem.

Trata-se de uma obra importantíssima, não só para nós judeus como para os não-judeus que se interessam pela questão do Médio Oriente. O relato de Granados, é um documento valioso para a compreensão do tema e um testemunho notável para a história, especialmente deste caso tão manipulado por aqueles que nunca se conformaram com a Independência de Israel. Suas páginas nos apresentam argumentos e fatos históricos paticamente inéditos e tão fortes, ainda desconhecidos do grande público, que acrescentam novas e irrefutáveis provas do direito judaico à Palestina.

É lamentável que, por mais de 60 anos, este livros, que só existia em inglês, espanhol e hebraico, tenha ficado inacessível ao leitor de língua portuguesa. Agora, este poderá conhecer mais a fundo as inúmeras facetas tratadas nesta obra, como, por exemplo, a fragilidade das reclamações árabes: Granados capta um dos motivos pelos quais eles nunca aceitaram o Estado Judeu – “Israel fere a dignidade nacional dos árabes” – ou, ainda, detalhes interessantes sobre a Declaração de Balfour e em que circunstâncias  ela foi elaborada e entregue; e todo o histórico da Liga das Nações ao conceder o mandato que a Inglaterra se encarregasse de criar o Lar Nacional Judaico e como ela se desviou disso por interesses políticos próprios.

O autor descreve também sua indignação com o brutal regime policial dos britânicos, a opressão, as injustiças e os tribunais ditatoriais que os ingleses impuseram aos judeus. Em determinado ponto de seu relato, chega a dizer que a atitude dos ingleses – sempre considerados paladinos do humanitarismo e da não-violência – era muito pior que a dos despóticos ditadores latino-americanos da época.

Há também um comovente testemunho sobre o célebre episódio do navio Exodus, relatado pelo diplomata que o ouviu de um não-judeu norte-americano, um reverendo que foi tripulante voluntário no transporte de imigrantes ilegais para a Palestina. O que se passou nos bastidores das comissões, subcomissões e Assembleia Geral da ONU é outro tema abordado com detalhes, que mostram como eram feitos os acordos entre os países para decidir questões na ONU, as pressões e as manipulações dos votos, especialmente as tentativas dos países árabes em impedir, a todo custo, que a partilha prosperasse e fosse aprovada pela maioria dos países do mundo.

Não menos importante é a corajosa revelação – surpresa para muita gente – de que os Estados Unidos nem sempre foram favoráveis à criação de Israel, chegando a ameaçar com sanções a então iminente jovem nação. O Estados Unidos foram o primeiro país do mundo a reconhecer a independência de Israel, mas fizeram de tudo para impedir que ele nascesse no dia 15 de Maio de 1948 e, além disso, tentaram, seguindo o caminho do apaziguamento, propor a revogação da partilha e criar um fideicomisso após a retirada das tropas britânicas – tudo para agradar os árabes e não ferir seus interesses petroleiros no Médio Oriente.

Este livro, agora em português, é uma homenagem à memória de um dos maiores democratas da América Latina: o seu autor, Jorge García Granados.

Os tradutores: Sara Schulman e Szyja Ber Lorber

BREVE HISTÓRIA DO JUDAÍSMO


Breve História do Judaísmo

Isidore Epstein, Editora Sêfer, 368 páginas (16×23 cm, flexível), ISBN 978-85-7931-003-4, 2010

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Breve descrição da origem e desenvolvimento dos ensinamentos, práticas, pensamento filosófico e doutrinas místicas da religião e moral judaicas ao longo de 4.000 anos de história dos judeus

***

Breve História do Judaísmo

Este breve mas compreensivo estudo do judaísmo é apresentado contra um fundo de 4.000 anos de história dos judeus, que vai desde as migrações de Abraão, o progenitor do povo judeu, até o estabelecimento do moderno Estado de Israel.

O livro narra o nascimento, crescimento e desenvolvimento das crenças, dos ensinamento e das práticas do judaísmo, assim como as suas esperanças, aspirações e ideias. São expostos também os movimentos espirituais e as influências que têm moldado a religião judaica nas suas variadas manifestações.

São descritas as várias contribuições feitas por profetas, legisladores, mestres, salmistas, sábios, rabinos, filósofos e místicos através dos quais o judaísmo veio a se tornar a força viva religiosa que é hoje. No tratamento destes temas é mantido o equilíbrio entre os fatos e a interpretação, com clareza e simplicidade.

***

“O saudoso Rabino Dr. Isidore Epstein foi um dos mais destacados acadêmicos da comunidade judaica britânica; um homem de vasta erudição cujo trabalho se estendeu sobre quase todas as áreas do judaísmo história, legislação, literatura e filosofia. Suas obras, sempre magistrais, permanecem atuais até os dias de hoje.”

Jonathan Sacks, Rabino-Chefe da Grã-Bretanha e Comunidade Britânica

UMA HISTÓRIA DO POVO JUDEU


Uma História do Povo Judeu, volume 1: De Canaã à Espanha

Hans Borger, Editora Sêfer, 480 páginas (16×23 cm, capa flexível), ISBN 85-85583-22-3, 1999 (3ª edição)

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Uma História do Povo Judeu, volume 2: Das Margens do Reno ao Jordão

Hans Borger, Editora Sêfer, 656 páginas (16×23 cm, capa flexível), ISBN 85-85583-41-X, 2002

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Creio que o público leitor interessado na temática terá, pela primeira vez, a oportunidade de manusear uma história judaica, abrangendo desde o período bíblico a do Segundo Templo até à expulsão dos judeus da Espanha e de Portugal, escrito com honestidade intelectual, isenção de espírito e conhecimento dos factos. Na verdade, desde que foram publicados em língua portuguesa os resumos da história judaica do clássico Simon Dubnov e de Cecil Roth, nas décadas de 40 e de 50, pouco se fez para actualizar o nosso conhecimento sobre o assunto. Portanto, um dos méritos, entre outros, da obra de Hans Borger é o de apresentar a matéria em questão sob a luz das novas descobertas arqueológicas e da pesquisa mais recente numa síntese amena e atraente, enriquecida de farto material ilustrativo e cartográfico.

Prof. Dr. Nachman Falbel, Titular de História Medieval, Universidade de São Paulo

***

Sobre o autor:

Hans Borger nasceu em Berlim, Alemanha, e chegou como adolescente ao Brasil em 1936, com sua família, fugida do nazismo. Integrou-se rapidamente na comunidade judaica paulistana, participou de vários movimentos juvenis e, adulto, ocupou cargos de direcção na vida comunitária.

Ávido leitor e apaixonado da história judaica é, ao lado de alguns cursos que fez, essencialmente um autodidacta, e este livro é o resultado de dezenas de anos de convivência com académicos e de estudo e pesquisa próprios.

MASMORRAS DA INQUISIÇÃO


Memórias de António José da Silva, O Judeu (Romance Histórico)

Isolina Bresolin Vianna, Editora Sêfer, 144 páginas (14×21 cm, brochura), ISBN 85-85583-07-x, 1997

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Embora classificado como romance Masmorras da Inquisição – Memórias de António José da Silva, o Judeu, apoia-se sobre factos e documentos históricos, entre eles os autos do processo de António José. Nada foi inventado ou falsificado. O que ali está é a triste e dura verdade configurada naqueles depoimentos, todos verdadeiros na sua essência.

É verdade que um gesto de amor livrou-o da morte infamante pelo garrote e da tortura da fogueira inquisitorial, como é verdade que ele sempre foi muito amado, querido e admirado, mas, infelizmente, também muito invejado, uma das causas prováveis da sua injusta morte.

António José da Silva, o Judeu, foi uma das mais ilustres vítimas da Inquisição, sacrificado pela “culpa de não ter culpa”.

***

A Ficção histórica não antagoniza os factos históricos, ao contrário, desperta o interesse, mobiliza as atenções e abre caminhos para novas pesquisas e descobertas.

A peça teatral “António José, ou o Poeta e a Inquisição” de Domingos José Gonçalves de Magalhães (1983) abriu o caminho para o romance histórico “O Judeu” de Camilo Castello Branco (1866), que estimulou a publicação de uma parte da documentação inquisitorial do comediógrafo brasileiro (Revista do IHGB, Tomo LIX, 1896) que, por sua vez, levou Teófilo Braga, o primeiro Presidente da República Portuguesa, ao opúsculo “O Mártir da Inquisição Portuguesa” (1910).

António Baião avançou com novas pesquisas em “Episódios Dramáticos da Inquisição Portuguesa (2º volume, 1924) que, finalmente, desembocaram no trabalho seminal de J. Lúcio Azevedo, em “Novas Epanáforas” (1932).

A listagem, evidentemente incompleta, não poderia deixar de registar a narrativa dramática de Bernardo Santareno, “O Judeu” (1968), a monumental pesquisa académica de José de Oliveira Barata, “António José da Silva, Criação e Realidade” (1983) e o filme “O Judeu” de Jom Tob Azulay (1988-1996).

Ao longo da história da cultura percebe-se, nítida, uma interpelação e interlocução entre narração e conhecimento, entre facto e ficção, entre criação e realidade que, longe de se excluírem, acrescentam-se num processo vital, de grande riqueza. Esta memórias ficcionais, “Masmorras da Inquisição“, da historiadora Isolina Bresolin Vianna, são o mais novo elo de um fertilíssimo encadeamento que está longe de ser concluído.

Alberto Dines, autor da monumental obra “Vínculos do Fogo”, Companhia das Letras, 1992.

***

Sobre a Autora:

Isolina Bresolin Vianna nasceu em Piratininga (São Paulo) em 1927. Doutorou-se pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Sagrado Coração de Jesus (Bauru – SP) por delegação da USP. Sua tese “António José da Silva, o Judeu e as Obras do Diabinho da Mão Furada”, que originou o presente livro, foi apresentada no I Congresso Internacional sobre a Inquisição, promovido pela FFLCHC da USP, em Maio de 1987, e na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (Portugal), em Outubro de 1991. Ocupa a cadeira 12 na Academia Bauruense de Letras.

DICIONÁRIO DO JUDAÍSMO PORTUGUÊS



Coordenação de: Lúcia Mucznik, José Alberto Tavim, Esther Mucznik e Elvira de Azevedo Mea, Editoral Presença (Portugal), 584 páginas, já nas Livrarias!

O Dicionário do Judaísmo Português tem o objectivo de reunir e divulgar de forma sintética o conhecimento actual sobre a presença judaica em Portugal e dos judeus de origem portuguesa no mundo. O universo da obra tem como marcas temporais o estabelecimento de judeus no território que é hoje Portugal, desde o século V até ao presente, passando pela diáspora que os levou aos quatro cantos do mundo. Os artigos são da responsabilidade de mais de sessenta especialistas. Inédita em Portugal, é uma obra ao mesmo tempo rigorosa, abrangente e de fácil consulta, simultaneamente um instrumento de referência para os investigadores e de divulgação para o público em geral.

***

Factos e histórias sobre a presença judaica em Portugal reunidos num dicionário completo.

Qual a origem do termo «sefardita»? E o que significa? O que é o marranismo e quando surgiu? O adjectivo «marrano» tem uma conotação depreciativa? Quem eram os abafadores a que Miguel Torga se refere em Novos Contos da Montanha? Que língua é o ladino? Sabia que a palavra «alheira» apareceu pela primeira vez dicionarizada, com o sentido que hoje lhe conhecemos, apenas em 1949 apesar de a sua «invenção» já ter séculos? Sabe que o termo mais correcto para designar esse enchido de carne de aves e de pão é «tabafeia»? E que Angola teve vários projectos de colonização judaica, o primeiro dos quais em 1886, e o último em 1938, que propunha salvar milhares de famílias judias a troco de 230 milhões de dólares e que Salazar o recusou a fim de evitar futuras «dificuldades diplomáticas com o Führer»? As respostas a essas e a outras centenas de questões podem agora ser encontradas numa só obra.

O Dicionário do Judaísmo Português – trabalho iniciado há cerca de oito anos, segundo os seus coordenadores, e que contou com a colaboração de cerca de 60 especialistas, nacionais e estrangeiros, nas mais diversas áreas do conhecimento – sistematiza a presença judaica em Portugal e a presença e actividade dos judeus de origem portuguesa (à semelhança dos espanhóis, também estes são chamados sefarditas) no mundo. O universo abrangido pelo dicionário vai desde o momento em que há notícia do seu estabelecimento no território geográfico que é hoje Portugal, no século V, até aos dias de hoje, não esquecendo a diáspora dispersa pelo mundo. Há muitas dezenas, talvez centenas, de entradas de carácter histórico (factos e personalidades), e ainda outras tantas sobre rituais, instituições comunitárias judaicas, festas religiosas e um curioso glossário de termos hebraicos.

Basta é a bibliografia (académica mas não só) existente sobre os judeus portugueses, mas este dicionário tem a virtude de a sintetizar e em alguns casos a actualizar, proporcionando, não apenas aos investigadores mas também ao público em geral, uma obra de referência até agora inexistente por cá. Para os leitores que se interessarem por assuntos mais específicos, ou que os queiram aprofundar, é apresentada no final de cada entrada a bibliografia essencial. Um trabalho cuja publicação é de saudar.

In Revista Ler,

Jornalista: José Riço Direitinho

%d bloggers like this: