TROPICASHER – BERESHIT


Tropicasher  Bereshit

Paulinho Rosembaum, 71 páginas, 2012

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

BRASIL: http://www.sefer.com.br/details/12240/tropicasher-bereshit

TROPICASHER: http://www.tropicasher.com.br/

***

Tropicasher – Bereshit

Paulinho Rosenbaum brinda o público com seus comentários bem humorados sobre as porções semanais da Torá, trazendo pensamentos e reflexões de alguns dos maiores Gueonim (gênios) do pensamento judaico, com arte espiritual e muita criatividade.

Tropicasher é uma receita espiritual que mistura conceitos, situações, ideologias, idiomas, crônica social e uma pitada de humor para dar um sabor todo tropical à sua narrativa.

***

Sobre o Autor:

Paulinho Rosenbaum, nasceu em São Paulo e foi criado nos Estados Unidos do Bom Retiro, de onde partiu para Israel, a Areia que Virou Mel, onde tornou-se Bacharel em Sociologia, Antropologia e Ciências Políticas. Sua mania de misturar Judaísmo, Brasil e Humor nos trabalhos universitários, levava um colorido especial às dissertações. Sua tese em Ciências Políticas, escrita em 1984, sobre a eventualidade de Brasil e China se tornarem o fiel da balança político-econômica mundial num prazo de trinta anos, lhe rendeu um 90 pela beleza e claridade da apresentação. O professor em questão, apenas não lhe deu 100 porque achou a tese fantasiosa demais.

Nesta obra, Paulinho brinda o público com seus comentários bem humorados sobre as porções semanais da Torá, trazendo pensamentos e reflexões de alguns dos maiores Gueonim (gênios) do pensamento judaico, com arte espiritual e muita criatividade. Tropicasher é uma receita espiritual que mistura conceitos, situações, ideologias, idiomas, crônica social e uma pitada de humor para dar um sabor todo tropical à sua narrativa.

Se fosse você, eu lia.

Paulinho Rosenbaum

BATE-PAPO – Reflexões sobre questões essenciais do judaísmo.


Capinha bate papo

Nechemia Coopersmith, Editora Sêfer, Aish Hatorah e Or Israel College, 200 páginas (10×14 cm, brochura), ISBN 85-85583-35-5, 2001

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Um guia para discussões que nos façam reflectir sobre questões essenciais do judaísmo

***

Bate-Papo é escrito de forma magistral – clara, concisa e ponderada. Nechemia Coopersmith deu ao universo judaico um instrumento eficiente e provocativo, para engajar judeus espiritualmente inquisitivos num discurso absorvente e produtivo. Todo indivíduo preocupado com a continuidade judaica, deve acolher entusiasticamente “Bate-Papo” em seu repertório intelectual.

Rabino Michel Twerski, Milwaukee

***

Acredito que “Bate-Papo” é um instrumento prazeiroso, criativo e positivo de aprendizagem e ensino. Ao suscitar questões num contexto filosófico judaico, oferece uma contribuição relevante à educação informal no campus universitário. “Bate-Papo” provoca um debate ponderado entre amigos e familiares judeus, não só ao considerar cuidadosamente as questões de vida significativas, como também ao fornecer fontes judaicas que fundamentam a discussão.

Richard Joel, Presidente e Director Internacional de Hilel, Fundação para a Vida Judaica no Campus Universitário

O QUE É CASHRUT


Capinha cashrut

Rabino Eliahu Birnbaum e Prof. Shalom Rosember, Editora Sêfer, 96 páginas (16×23 cm, brochura), ISBN 85-85583-30-4, 2003

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

Antologia do Pensamento Judaico sobre as Leis Dietéticas Judaicas

Agora que tudo foi dito e feito, qual é o principal motivo destas leis? Ao longo dos anos, muitas pessoas eruditas têm procurado alguma explicação racional e lógica que se aplicasse às leis de Cashrut, para que fornecessem motivos racionais para esta observância tão fora do comum – entre as quais promover a saúde e evitar práticas pagãs. Mas nenhuma delas realmente explica esta prática multidimensional. Uma coisa é clara: qualquer que seja o motivo pelo qual Deus deu estas limitações sobre a comida para os judeus, suas meta funcional é tornar o povo distinto, evitando assim que se assimilem a outras populações e grupos religiosos. Funcionam também como lembretes constantes, especialmente ao viajar, de que um Deus distinto exige uma dieta distinta. Vive la différence!

Rabino Maurice Lamm

“Bem-Vindo ao Judaísmo” – Editora Sêfer

A TORÁ DE ÉRETS ISRAEL – Judaísmo e Sionismo


A Torá de Érets

Rabino David Samson e Rabino Tsvi Iehuda HaCohen Kook, Editora Sêfer, 354 páginas (16x23cm, brochura), ISBN 85-85583-21-5, 1999

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

“A Torá de Érets Israel – Judaísmo e Sionismo

Ensinamentos do Rabino Tsvi Iehuda HaCohen Kook

O rabino Kook (lê-se Kuk) era o ideólogo dos partidários da não devolução de territórios de Israel aos árabes. Era filho único do rabino Avraham Yits’chac HaCohen Kook e a pessoa mais próxima a ele e a seus ensinamentos. Como Rosh-Yeshiva da Yeshivat Mercaz HaRav de Jerusalém, educou uma nova geração de israelenses a ver a Mão Divina na reconstrução da nação judaica em Israel.

Devotado à percepção que seu pai tinha da Torá e do povo judeu, o rabino Tsvi Iehuda dedicou a vida à edição e publicação dos muitos manuscritos de seu pai. O acanhado apartamento dele em Jerusalém tornou-se o centro espiritual do movimento de colonização de Israel. Os fundadores das novas colônias judaicas na Judeia e Samaria, Gaza e Colinas do Golã eram alunos do rabino Tsvi Iehuda.

Os mais proeminentes rabinos, Primeiro-Ministros, generais do Exército de Israel e Baalê Teshuva (judeus que retornaram ao cumprimento do judaísmo) de todas as partes de Israel visitavam assiduamente sua casa.

Este livro é um marco: pela primeira vez é publicada em português a obra do rabino Tsvi Iehuda. Seus ensinamentos sobre a Torá, Emuna (fé), Ahava (amor), Érets (Terra de) Israel, Sionismo, Holocausto, Gueula (redenção) e Mashíach (Messias) apresentam a abrangente Torá de Érets Israel sob luzes esclarecedoras e sem igual.

Esta obra reúne comentários que pretendem levar os leitores para a intimidade do Bet Midrash do Rav Kook, para sentir e compreender intensamente sua visão desta singular era de redenção que o rabino Kook soube inspirar a nação a perceber.

***

“Assim como as pedras usadas na construção do Templo não foram santificadas até ao término da obra, – da mesma forma, a construção da Terra de Israel é realizada em todos os segmentos da nação de Israel: pelos justos e pelos menos justos. Embora nós estejamos construindo com o que não é santificado – com todas as vicissitudes e dificuldades inerentes – , pouco a pouco todos os problemas desaparecerão e a santificação do Nome de Deus irradiar-se-á cada vez mais forte.”

Rabino Tsvi Iehuda HaCohen Kook

CHEGARAM OS EBOOKS DA SÊFER


 Caso não esteja visualizando corretamente visite

 

 

DEZENOVE CARTAS SOBRE JUDAÍSMO


Dezenove

Rabino Shimshon (Samson) Raphael Hirsch, Editora Sêfer, 140 páginas (14x21cm, capa flexível), ISBN 85-85583-34-7, 2002

PORTUGAL: Informações e encomendas através do email euronigma@sapo.pt

***

“Dezenove” Cartas Sobre Judaísmo – The Nineteen Letters of Ben Uziel

Esta primeira obra do Rabino Hirsch (1808-1888) publicada em português apresenta sua profunda visão do judaísmo, através da troca de correspondências entre um jovem intelectual e seu filosófico rabino.

Seu conceito de ”Torá im Dérech Érets”, que criou uma ponte sólida entre a modernidade e o espírito e as práticas da Torá, revolucionou a educação judaica e o judaísmo no século 19 e é aplicado até hoje com enorme sucesso pela neo-ortodoxia, que cumpre os mandamentos Divinos integrada à sociedade laica. É um daqueles livros capaz de mudar toda uma vida!

***

Prefácio dos Tradutores:

Foi um privilégio trabalhar nesta obra excepcional do célebre rabino Shimshon (Samson) Raphael Hirsch Z’’L, a primeira a ser traduzida na íntegra para o português. Escrita originalmente em alemão, revela-se tão importante hoje quanto no século XIX, quando foi publicada a primeira a primeira vez.

Em nome da fidelidade absoluta ao conteúdo, utilizamos duas traduções do alemão para o inglês – uma feita pelo rabino Bernard Drachman, em 1899, e a outra, pelo rabino Joseph Elias, em 1995. Comparamos também o texto em português ao original alemão. Apesar da força do tema central, optamos por inserir algumas adaptações idiomáticas que, esperamos, ampliarão a compreensão das ideias expostas.

Com o mesmo objectivo, elaboramos uma introdução sobre a vida e a produção literária do autor. Fazem parte desta edição as notas explicativas do próprio rabino Hirsch (SRH), mais as notas da tradução norte-americana assinada pelo rabino Joseph Elias (JE), além das notas dos tradutores (NT). Cada carta também recebeu um título segundo sua característica mais marcante. Chegamos a estes títulos através de consultas a diferentes traduções para língua inglesa.

A edição final coube ao professor Jairo Fridlin, que manteve intacto o espírito do texto ao imprimir um tom mais coloquial à linguagem. Seu objectivo, não por acaso o mesmo autor, na época, foi o de incentivar o questionamento e o debate sobre os caminhos da religião entre os jovens. Porque este é um livro dedicado a eles.

Auro del Giglio

Ricardo Metzner

TALMUD TORÁ


Graduation

 

TALMUD TORÁ

A Mitzvá (mandamento) de Talmud Torá – O Estudo da Torá – é um preceito fundamental do judaísmo. Os sábios ensinam-nos que a Torá é uma das três coisas sobre as quais o mundo se apoia, e que o “estudo da Torá supera todas as outras Mitsvót” em importância e na recompensa que encerra. As dimensões de conhecimento derivadas do estudo são teóricas e práticas, abstratas e concretas, uma orientação de vida.

O estudo da Torá é não só um meio mas um fim, uma componente essencial do judaísmo. A noção judaica de “um reino de sacerdotes e uma nação sagrada” apoia-se, no fato de o conhecimento judaico não estar limitado a uma casta instruída separada, mas ser incumbência de todos.

No estudo da Torá, há uma relação dialética entre demandas objectivas e afinidades pessoais; algum atalho plausível deve ser procurado, entre os dois. A pessoa deve ter em mente a diferença entre experiência e conhecimento.

Um elemento essencial, independentemente do assunto, é a regularidade do estudo, um compromisso inflexível com o estudo que deve ser em grupo, com um professor ou alguém mais experimentado. Um professor deve servir de mentor, mestre e guia.

Um tipo de conhecimento que é essencial é a linguagem das fontes, especialmente o idioma hebraico (mesmo que só a compreensão passiva), apenas confiar no “judaísmo traduzido” é perigoso tanto para as comunidades, como para os indivíduos.

É muito importante conhecer a Bíblia Hebraica – Tanach, se possível na sua totalidade. O que é essencial é o conhecimento do conteúdo global dos vários livros, os temas e as estórias.

Chumash (Torá) é coberto na totalidade uma vez por ano e cada porção lida e estudada semanalmente.

Outra área importante de estudo é a Halachá que oferece orientação para a maneira de proceder: leis de observância diária, como as da oração, Shabat, Cashrut, e Taharat Hamishpachá (pureza familiar). O Kitsur Shulchan Aruch é um dos pontos de partida para o estudo de todas estas leis e costumes.

Talmud (Torá Oral) e os seus comentários representam outra área significativa de estudo e aprendizado. A ignorância do Talmud é mais grave que a ignorância das escrituras, pois ele é a base para quase todas as áreas do judaísmo, que estão direta ou indiretamente ligadas a ele; dá equilíbrio ao espírito e restringe as inclinações mais extremas.

O estudo do misticismo judaico, a Cabala, apresenta um problema especial pois apesar de ser provavelmente o único sistema teológico judaico existente, não é uma disciplina em si mesma, mas está estritamente relacionada com a prática religiosa em geral. É um comentário (em certo sentido) sobre a Torá escrita e oral e não pode ser separada nem na teoria nem na prática, de todo o conjunto das Mitsvót. É falso e desorientado visualizar a tradição mística judaica separada do contexto maior do judaísmo como um todo.

Por último o estudo do Pensamento Judaico em suas muitas facetas.

O estudo da Torá é portanto, uma mistvá fundamental por direito próprio, da incumbência de todo judeu, enquanto viver.

 

***

Bibliografia:

Teshuvá – Um Guia para o Judeu Recém Praticante

Adin Even Yisrael (Steinsaltz), Editora Maayanot, 254 páginas (14×21 cm, brochura), ISBN 85-85512-21-0, 1994 (reedição de 2006)

Link: http://www.judaicaportugal.com/TESHUV_/p440356_1884963.aspx

 

A Mitzvá (mandamento, conexão) de Talmud Torá – O Estudo da Torá – é um preceito fundamental do judaísmo. Os sábios ensinam-nos que a Torá é uma das três coisas sobre as quais o mundo se apoia, e que o “estudo da Torá supera todas as outras Mitsvót” em importância e na recompensa que encerra. As dimensões de conhecimento derivadas do estudo são teóricas e práticas, abstratas e concretas, uma orientação na vida.
O estudo da Torá é não só um meio mas um fim, uma componente essencial do judaísmo. A noção judaica de “um reino de sacerdotes e uma nação sagrada” apoia-se, no fato de o conhecimento judaico não estar limitado a uma casta instruída separada, mas ser incumbência de todos.
No estudo da Torá, há uma relação dialética entre demandas objectivas e afinidades pessoais; algum atalho plausível deve ser procurado, entre os dois. A pessoa deve ter em mente a diferença entre experiência e conhecimento.
Um elemento essencial, independentemente do assunto, é regularidade do estudo, um compromisso inflexível com o estudo que deve ser em grupo, com um professor ou alguém mais experimentado. Um professor deve servir de mentor, mestre e guia.
Um tipo de conhecimento que é essencial é a linguagem das fontes, especialmente o idioma hebraico (mesmo que só a compreensão passiva), apenas confiar no “judaísmo traduzido” é perigoso tanto para as comunidades, como para os indivíduos.
É muito importante conhecer a Bíblia Hebraica – Tanach, se possível na sua totalidade. O que é essencial é o conhecimento do conteúdo global dos vários livro, os temas e as estórias.
O Chumash (Torá) é coberto na totalidade uma vez por ano e cada porção lida e estudada semanalmente.
Outra área importante de estudo é a Halachá que oferece orientação para a maneira de proceder: leis de observância diária, como as da oração, Shabat, Cashrut, e Taharat Hamishpachá (pureza familiar). O Kitsur Shulchan Aruch é um dos pontos de partida para o estudo de todas estas leis e costumes.
O Talmud (Torá Oral) e os seus comentários representam outra área significativa de estudo e aprendizado. A ignorância do Talmud é mais grave que a ignorância das escrituras, pois ele é a base para quase todas as áreas do judaísmo, que estão direta ou indiretamente ligadas a ele; dá equilíbrio ao espírito e restringe as inclinações mais extremas.
O estudo do misticismo judaica, a Cabala, apresenta um problema especial pois apesar de ser provavelmente o único sistema teológico judaico existente, não é uma disciplina em si mesma, mas está estritamente relacionada com a prática religiosa em geral. É um comentário (em certo sentido) sobre a Torá escrita e oral e não pode ser separada nem na teoria nem na prática, de todo o conjunto das Mitsvót. É falso e desorientado visualizar a tradição mística judaica separada do contexto maior do judaísmo como um todo.
Por último o estudo do Pensamento Judaico em suas muitas facetas.
O estudo da Torá é portanto, uma mistvá fundamental por direito próprio, da incumbência de todo judeu, enquanto viver.
***
Bibliografia:
Teshuvá – Um Guia para o Judeu Recém Praticante
Adin Even Yisrael (Steinsaltz), Editora Maayanot, 254 páginas (14×21 cm, brochura), ISBN 85-85512-21-0, 1994 (reedição de 2006)
%d bloggers like this: